quinta-feira, 17 de julho de 2014

terça-feira, 15 de julho de 2014

JORNAL DOS BAIRROS (SANTOS - SP): BOLSONARO E SUAS BATALHAS ATUAIS NO CONGRESSO NACIONAL.



JAIR BOLSONARO: A CORAGEM DE UM DESTEMIDO DEPUTADO. 

Protestos, impostos, Comissão da Verdade, Estatuto do Desarmamento, kit-gay, legislações trabalhistas, fim da propriedade privada, "Lei das Palmadas"

Pequeno Perfil:

O deputado Jair Bolsonaro é, talvez, o mais reconhecido representante da direita brasileira. Nascido em 1955, na cidade de Campinas – SP, ingressou na Escola Preparatória de Cadetes do Exército e posteriormente na lendária Academia Militar das Agulhas Negras, formando-se aspirante-a-oficial em 1977. Já na patente de Capitão candidatou-se a vereador pela cidade do Rio de Janeiro pelo Partido Democrata Cristão, sendo eleito em 1988. Em 1990, pelo mesmo partido, elegeu-se deputado federal, papel que exerce até hoje (atualmente pelo Partido Progressista). Um dos expoentes mais aguerridos das visões convervadoras, cristãs e nacionalistas, Jair Bolsonaro tem uma longa lista de lutas no currículo. 
---------------------------------------------------------------------

Foi um crítico inabalável de medidas como a CPMF e o chamado kit-gay (que, nas palavras do deputado, era uma afronta à família brasileira). Em conversa franca e direta por telefone, o deputado esclareceu algumas de suas visões. Garante que a maioria dos brasileiros pensa exatamente como ele ( o que provavelmente é verdade, tendo em vista uma pesquisa recente indicando que 70% dos brasileiros se consideram de centro-direita e direita). Dono de coragem notável e personalidade forte, não faz concessões ao governo do PT. Afirma que a turma de Lula, Dilma e cia. compõe uma elite autoritária, desejosa de instaurar uma ditadura socialista no país. 

Os recentes protestos ocorridos em todo Brasil, que sacudiram a realidade política e social, são vistos pelo deputado como extremamente benéficas à estratégia da esquerda: ”A provocação e desmoraização das autoridades policiais e jurídicas, como recentemente se tem visto com muita força no Rio de Janeiro, por exemplo, é algo que muito interessa ao projeto de poder do PT” (o que é evidente para qualquer um bem informado: recentemente, em meio aos protestos contra o Governador Sérgio Cabral, o ministro Gilberto carvalho foi filmado confraternizando com os manifestantes). 

Um de seus maiores alvos, em meio a essa era de caos institucional inaugurada em 2003, é a Comissão Nacional da Verdade: ”Se for apurar os abusos cometidos pelos esquerdistas. Quem iniciou a luta armada foram eles, com a explosão da bomba no Aeroporto de Guararapes em 1966. Um almirante e um jornalista foram mortos. A Comissão da Verdade vai apurar isso também?”. Fala também das distorções históricas tão comuns hoje em dia: ”A visão corrente é que os guerrilheiros e esquerdistas lutavam pela democracia. Qual democracia? Os estatutos das organizações armadas eram claramente de inspiração marxista-lenista. Os guerrilheiros foram para o Araguaia desencadear uma guerra rural, assassinaram seus companheiros em justiçamentos, eram bancados com dinheiro de Cuba, e queriam democracia?”. O viés extremamente ideológico de instituições como o MEC, por exemplo, em que livros didáticos geralmente são pura doutrinação esquerdista (para saber mais, vem o excelente site EscolaSemPartido) também não passa despercebido por esse parlamento a coragem única: ”Os livros para crianças de hoje demonizam o capitalismo e glorificam o socialismo. Algumas escolas distribuem cartilhas do MST. Che Guevara, Dirceu e Genoíno são apresentados às crianças como verdadeiros heróis”. A mídia, como é de conhecimento de todos, é extremamente cúmplice nisso: ”Recentemente dei uma entrevista e afirmei que Lênin dizia que compraria da burguesia a corda para enforcá-la e hoje o governo compra a imprensa para silenciá-la. Eles estão apoiando o PT na esperança de que não sejam prejudicados”. 

Crítico também da campanha do desarmamento, alega que a exigência de ”comprovada necessidade” para arranjar um porte é extremamente subjetiva, o que tornaria praticamente impossível comprar uma arma: ”Um subtenente do Exército com vinte anos de carreira pode não conseguir comprar uma arma por não comprovar necessidade. É um absurdo”. 

Diz também que as novas legislações trabalhistas são o primeiro passo para o fim da propriedade privada no Brasil, característica de toda ditadura socialista: ”A legislação proposta prvê que trabalho de escravidão ou análogo à escravidão acarretariam confisco da propriedade do empregador . Atentem bem para esse ”análogo à escravidão”. É outro termo completamente confuso e subjetivo. Imaginem a situação em que um quarto de empregada tenha ventilação inadequada. Se ela processar o patrão por essa falha e isso for considerado ”análogo à escravidão”, ele poderá perder sua propriedade. É um absurdo, é p começo de uma ditadura de esquerda no país”. Que a atual situação brasileira se assemelha ao início de um governo autoritário todos percebem. 

Um ponto também citado pelo nobre deputado foi a questão da ”Lei das Palmadas”: ”Os pais não podem mais corrigir os filhos. A tutela das crianças hoje foi totalmente transferida para o Estado. Se um pai dá uma palmada no seu filho ele pode ser alvo de um processo e perder a guarada da criança. A própria lei incentivará os filhs a fazer denúncia”. Qualquer semelhança talves não seja mera coincidência: durante o totalitarismo stalinista, filhos eram estimulados a denunciar os pais caso eles apresentassem ser ”inimigos da Revolução”. 

Jair Bolsonaro é, hoje, alvo de críticas e elogios. Amado ou odiado, uma coisa é certa: é um homem extremamente corajoso, que enfrenta paraticamente sozinho os delírios absolutistas do lulopetismo. E, numa democracia, é fundamental que vozes enfáticas se levantem contra projetos totalitaristas de poder. 

Fica aqui a adimiração da euqipe do Jornal dos Bairros por esse valente parlamentar, uma voz lúcida e coerente e um legítimo cidadão brasileiro.

Por Júlio Presado 

quarta-feira, 9 de julho de 2014

JORNAL DOS BAIRROS (SANTOS - SP): CONHEÇA O POLICIAL FEDERAL, EDUARDO BOLSONARO, CANDIDATO A DEPUTADO FEDERAL POR SÃO PAULO.

A foto mostra Bolsonaro em operação. (clique na imagem para ampliar).

Eduardo Bolsonaro, 29 anos de idade, formado em direito pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), é filho do conhecido Deputado Federal Jair Bolsonaro. Possui quatro irmãos, sendo dois deles também ligados à política, Flávio Bolsonaro que é Deputado Estadual e Carlos Bolsonaro que é Vereador pala cidade do Rio de Janeiro. 

Eduardo Bolsonaro é Policial Federal, lotado na capital de São Paulo, onde comunga e reverba na mesma linha na qual destaca fervorosa defesa de uma política que vai na contra-mão da atual esquerda brasileira, ou seja, uma aproximação dos mercados americano e europeu, redução da carga tributária, a valorização da família, a criminalização dos movimentos sociais como MST, redução da maioridade penal e uma política de planejamento familiar. 



Clique na imagem para ampliar.

Jair Bolsonaro
. Facebook: Jair Messias Bolsonaro
. Twitter: @DepBolsonaro

Eduardo Bolsonaro
. Facebook: Eduardo Bolsonaro
. Twitter: @BolsonaroSP


terça-feira, 1 de julho de 2014

CARLOS BOLSONARO APRESENTA PROJETO QUE LIVRA ALUNOS DE INFLUÊNCIA PARTIDÁRIA ORIUNDA DE PROFESSORES.


ESCOLA LIVRE DE INFLUÊNCIA PARTIDÁRIA: 

A compreeensão da importância da política é o primeiro passo para a formação do cidadão consciente do seu papel na sociedade. Essa compreensão será formada através do conhecimento dessa ciência. Entretanto, segundo o vereador, Carlos Bolsonaro (PP), nos dia de hoje, muitos professores e autores de livros usam suas aulas e obras para influenciarem alunos a seguirem determinados pensamentos políticos ideológicos. A fim de evitar tal influência, o vereador apresentou à Câmara do Rio o Projeto de Lei 867/2014, que cria, no âmbito do Sistema de Ensino do Município, o ”Programa Escola Sem Partido”. 

O projeto estabelece a proibição da prática de doutrinação política e ideológica nas salas de aula e distribuição de conteúdos com ideias que possam conflitar com a moralidade dos alunos e pais. A iniciativa, segundo o autor, atende aos princípios de neutralidade política, ideológica do Município; de diversificação das ideias no ambiente acadêmico; de liberdade de aprender e liberdade de consciência; de reconhecimento da vulnerabilidade do estudante como parte mais fraca no aprendizado; de educação e informação do estudante quanto aos direitos quando se trata da sua liberdade de consciência; e de direito dos pais para que seus filhos não recebam uma educação moral diferente de suas próprias convicções. 

A matéria especifica que o professor, no exercício da função, não abusará da inexperiência e da falta de conhecimento dos alunos objetivando cooptá-los para esta ou aquela corrente política e nem adotará livros que tenham esse objetivo; não favorecerá nem prejudicará alunos em razão de seus ideais políticos, ideológicos, ou da falta delas; não estimulará os alunos a participarem de manifestações ou atos públicos, nem fará propaganda em sala de aula; quando tratar de questões políticas, sócio-culturais e econômicas, apresentará igualmente as principais versões, teorias, opiniões e perspectivas concorrentes; não criará atmosfera de intimidação em sala de aula, capaz de desencorajar a manifestação de pontos de vista discordantes dos seus, nem permitirá que tal aconteça por outros meios; e ainda, deverá abster-se de introduzir conteúdos que possam conflitar com as convicções morais dos estudantes ou de seus pais. 

Determina também, que os conteúdos morais dos programas das disciplinas obrigatórias deverão ser reduzidos ao mínimo indispensável para que a escola cumpra sua função essencial de transmitir conhecimento aos estudantes. Para isso, a Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro poderá promover a realização de cursos de ética do magistério para professores da rede pública de ensino, com o propósito de informar e conscientizar o educador sobre os limites éticos e jurídicos da atividade docente. 

O vereador diz que o projeto está em sintonia com o art. 2 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, que ligisla sobre o preparo do aluno que no futuro se tornará um cidadão. ”O direito de ser informado sobre os próprios direitos é uma questão de cidadania e devemos informar os estudantes do direito que eles têm de não serem influenciados por seus professores”, defende o vereador.

< Link do projeto de lei 867/14:http://goo.gl/ZnTJHB
< Link da matéria na íntegra: http://goo.gl/mSLcKO

terça-feira, 27 de maio de 2014

TRABALHO DE CARLOS BOLSONARO IMPEDE QUE COMISSÃO DA "VERDADE" DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO SAIA DO PAPEL.


A exemplo das Comissões da Verdade criadas pelo Congresso Nacional e Câmara Municipal de São Paulo, onde foram constituídos grupos de trabalho, pagos com dinheiro público, para analisarem possíveis crimes cometidos por militares no período do Regime Militar e amplamente explorado pela maioria da imprensa para desviar o foco do atual período e de maior corrupção e violência de nossa história, o PT tentou, mas sem sucesso, criar matéria com teor idêntico no município do Rio de Janeiro , afim de também tripudiar daqueles que impediram que o Brasil se tornasse uma ditadura aos moldes de Cuba. 

Cabe ressaltar que estas comissões somente analisam possíveis excessos cometidos pelas Forças Armadas, deixando de lado os crimes cometidos pelos “revolucionários” que pegaram em armas, mataram, estupraram, assaltaram e sequestraram, sempre patrocinados por Cuba, sob a “hilária” e falsa afirmação de que queriam implementar uma democracia no Brasil. 

Vamos aos fatos: Desde o dia 22 de maio de 2012, o vereador Carlos Bolsonaro vem lutando contra a aprovação do projeto de lei 1386/2012 proposto pelo PT, que cria a Comissão da Verdade Municipal do Rio de Janeiro. Os socialistas não contavam com os artifícios regimentais utilizados por Bolsonaro, que estão sendo decisivos para inutilização de mais uma sujeira tramada pelos que combateram o Regime Militar, tentando impor uma nova verdade no Brasil, sempre patrocinados por Cuba e URSS. 

Entre eles, destacamos a confecção do Requerimento de Informações 2769/12 feito à Prefeitura foi elaborado pela Comissão de Direitos Humanos, com a iniciativa do vereador Bolsonaro. O questionamento foi claro, pois todos sabemos que nenhum projeto de iniciativa parlamentar pode gerar despesas ao município, fato explícito na referida matéria que cria cargos, claro, que não por acaso indicados pelo propositor. Como a política é algo imprevisível, a resposta contundente do Prefeito foi antagônica ao desleixado parecer de constitucionalidade emitido pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara de Vereadores -  Segue entendimento do Poder Executivo - “cabe somente ao Poder Executivo desenvolver projetos que gerem despesas aos cofres públicos. 

Diante de tal documentação em mãos, ganhamos um aliado de peso - A LEI - que fez com que o autor da matéria não colocasse a proposta em votação, pois saberia que mesmo com a vitória em plenário, a Justiça certamente ao ser acionada por nosso gabinete, consideraria tal projeto de lei inconstitucional. 

A única saída para que a Comissão da Verdade Municipal do Rio de Janeiro obtivesse êxito seria sua criação mediante iniciativa do chefe do Poder Executivo, que não o fez, pois está ciente dos riscos políticos ao assumir determinadas posturas. 

Sabemos que, a princípio nada de concreto e significativo fizemos, pois estão em pleno funcionamento as Comissões da Verdade de Brasília e São Paulo, mas certamente impedimos que mais um canal de distorção da história do país fosse criado. 

Outros projetos que tentam apagar a verdadeira história do Brasil no período de 1964 à 1985 e endeusar os líderes comunistas que hoje estão no poder ou presos por corrupção, estão sendo analisados pela mesma Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Contudo, tenham certeza que nosso mandato, talvez sendo uma única ferramenta de combate aos covardes ideais comunistas, jamais deixará de funcionar enquanto estivermos ocupando as Casas de Lei do Brasil.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

BOLSONARO: A CARA DA DIREITA



Por Jair Bolsonaro, deputado federal (PP-RJ), capitão R/1 do Exército

Em 2005, embora sem pretensões de ser eleito, me lancei candidato à Presidência da Câmara dos Deputados com a intenção de evitar a eleição do candidato do Governo, o então deputado Luiz Eduardo Greenhalg (PT-SP).

A imprensa não quis me atribuir os louros da vitória, mas me considerei o grande vencedor.

Nos 10 minutos em que tive direito a usar da palavra mostrei a real face do candidato do governo petista, escalado no passado para impedir o esclarecimento do sequestro, tortura e execução do prefeito de Santo André (SP), Celso Daniel.

Após minha intervenção, foi evidente a mudança de votos de muitos deputados, evitando um mal maior. Severino Cavalcanti foi eleito no 2º turno.

Hoje, a minha visão sobre política é bem definida. Se este governo conseguir mais um mandato, o que de “melhor” nos poderá acontecer será, ainda em 2015, nos transformarmos numa Venezuela e de pior, numa Cuba.

Entretanto, entendo que os desvios bilionários dos “companheiros”, dos malfeitos na Petrobras e na Eletrobras, além de verdadeiro assalto aos Fundos de Pensões, só não são piores do que o roubo da nossa liberdade que se avizinha.

Minha preocupação é fundamentada em fatos históricos, pois não há notícia de qualquer país sob regime socialista/comunista que seu povo tenha razoável nível de desenvolvimento em educação, saúde e renda, ou gozem de qualquer autonomia.

Os livros escolares impostos pelo MEC, com frases e gravuras que pregam ser o capitalismo o inferno e o socialismo o paraíso, estão “envenenando” 30 milhões de crianças do ensino fundamental.

Abominam a propriedade privada, o lucro, o livre comércio e a meritocracia.

Meu nome, sem qualquer dúvida, encarna o sentimento daqueles que não suportam mais:

* o PT e demais partidos de esquerda;

* a desvalorização das Forças Armadas;

* o “politicamente correto”;

* a altíssima carga tributária;

* a política externa aliada com ditaduras;

* o ativismo gay nas escolas;

* o desarmamento dos cidadãos de bem;


Invasão de terras por militantes do MST: “Meu nome, sem qualquer dúvida, encarna o sentimento daqueles que não suportam mais” essas coisas (Foto: veja.abril.com.br)

* a falta de política de planejamento familiar;

* as invasões do MST;

* a “indústria” de demarcações de terras indígenas;

* a não redução da maioridade penal;

* o não reconhecimento da vital importância dos ruralistas e do agronegócio no desenvolvimento do País;

* a política de destruição de valores morais e familiares nas escolas;

* a ausência da pena de morte, prisão perpétua e trabalhos forçados para presos (ainda que consideradas cláusulas pétreas na Constituição);

* a manutenção do exame de ordem da OAB, nas condições atuais;

* as cotas raciais, que estimulam o ódio entre brasileiros e que, em muitos casos, são injustas entre os próprios cotistas;

* a Comissão Nacional da (in)Verdade, que glorifica terroristas, sequestradores e marginais que tentaram implantar, pelas armas, a ditadura do proletariado em nosso país;

* o Marco Civil da Internet, cuja regulamentação por decreto, inicia a censura virtual;

* o “Foro de São Paulo” onde ditadores e simpatizantes se acoitam por uma hegemonia marxista na América Latina;

* a liberação de recursos pelo BNDES para construir Porto em Cuba e metrô na Venezuela, assim como perdões de dívidas de ditadores africanos;

* as escolas com professores desprovidos de meios para exercerem sua autoridade;

* a ajuda financeira de mais de R$ 1 bilhão por ano à ditadura cubana via contratação de mão de obra escrava pelo programa “mais médicos”;


Dilma em mais um encontro cordial com o ditador Raúl Castro. O deputado Bolsonaro quer acabar com a “ajuda financeira de mais de R$ 1 bilhão por ano à ditadura cubana” (Foto: Roberto Stuckert Filho/Presidência da República)

* os programas “Bolsa Família” como curral eleitoral e “Brasil Carinhoso” que estimula a paternidade irresponsável;

* o Ministério da Defesa chefiado por incompetente civil como se não houvesse um oficial-general de quatro estrelas qualificado e confiável para o cargo;

* o Código Penal que não garante punições justas para os criminosos;

* a invasão e ocupação de terras e prédios públicos e privados por movimentos ditos sociais, sem legislação eficaz que puna tais práticas;

* a obstrução de vias públicas e queima de ônibus por qualquer motivação;

* a priorização na política de direitos humanos para criminosos em detrimento das vítimas, dos policiais e dos cidadãos de bem;

* as indicações políticas para cargos da administração pública.

Creio que minha candidatura ao cargo de presidente da República seria o “fiel da balança” para a garantia de um 2º turno, comigo ou entre outros candidatos.

Não há preço que pague um debate meu com Dilma Rousseff, a pseudo torturada, cujo primeiro marido sequestrou um avião e rumou para Cuba com uma centena de reféns e o segundo (marido), que com ela passou a lua de mel assaltando caminhões na Baixada Fluminense.

Afinal, seu passado não pode continuar sendo ocultado da população brasileira, bem como seu desserviço para a democracia.

Se um dia jurei dar minha vida pela Pátria, se preciso fosse, a perda do meu mandato de deputado federal é muito pouco para evitar a “cubanização” do Brasil, fato mais que provável, caso o PT vença mais uma eleição.

Em 23 de abril passado protocolei Ofício junto ao Partido Progressista, colocando-me à disposição para concorrer ao cargo de presidente da República e para que meu nome fosse enviado para os institutos de pesquisa eleitorais, sendo o único candidato que, verdadeiramente, assume de peito aberto uma oposição às políticas do PT.

> Matéria publicada pelo jornalista Ricardo Setti, da Revista Veja.http://goo.gl/DLbZT1

> Discurso de Bolsonaro sobre o assunto: http://goo.gl/dlcVSn

quarta-feira, 7 de maio de 2014

MAIS UMA BATALHA VENCIDA COM PARTICIPAÇÃO DE BOLSONARO: AUMENTO DO VALOR E DO ROL DE BENEFICIADOS DO AUXÍLIO-INVALIDEZ DA POLÍCIA MILITAR.


Meus Amigos.

A mudança proposta pelo governo na atual redação da Lei estadual n° 3.527/2001, que dispõe sobre uma das formas de concessão do auxílio-invalidez aos profissionais da segurança pública, aumentava o valor do benefício para R$ 3 mil e o estendia apenas aos amputados (negrito preto).

Participei diretamente – num esforço conjunto dos deputados Paulo Melo, André Correa, Cidinha Campos e Wagner Montes de negociação com o governo – dos avanços conquistados com a redação final do projeto de lei aprovado na Alerj, com as mudanças propostas por nós (negrito vermelho) e sancionado pelo governador, culminando na lei 6.724/14, com o seguinte conteúdo:
------------------------------------------------------------------------------------

Art. 1º O policial, civil e militar, o bombeiro militar e o inspetor de segurança e administração penitenciária que foi ou que venha a ser aposentado ou reformado por incapacidade definitiva e considerado inválido, em razão de paraplegia ou tetraplegia, bem como da amputação de membro(s) superior (es) e/ou inferior (es), decorrente de acidente de serviço, impossibilitado total e permanentemente para qualquer atividade laboral, não podendo prover os meios de sua subsistência, fará jus a auxílio-invalidez, a ser pago, mensalmente, no valor de R$ 3.000,00 (três mil reais).

Parágrafo Único - Também farão jus ao auxílio-invalidez previsto no caput os profissionais acima nominados, que venham a ser aposentados ou reformados em decorrência de outra incapacidade física ou mental permanente, cuja decorrência direta seja o exercício efetivo de sua atividade funcional e que fiquem impossibilitados total e permanentemente para qualquer atividade laboral, não podendo prover os meios de sua subsistência.” (grifos nossos que apontam os demais avanços conquistados)
-------------------------------------------------------------------------------------------
Sigo fazendo minha parte pela busca incansável de valorização dos profissionais da segurança pública do Rio de Janeiro.

FLÁVIO BOLSONARO
Deputado Estadual RJ

. Twitter: @FlavioBolsonaro
. FanPage Facebook: Flavio Bolsonaro

terça-feira, 29 de abril de 2014

EMENDAS PARLAMENTARES DE FLÁVIO BOLSONARO, LIBERADAS PARA POLÍCIA MILITAR.


Meus Amigos.

É com grande satisfação que comunico a liberação, pelo Governo do Estado, de emendas parlamentares, de minha autoria, no total de 2 milhões para PMERJ. 

< R$ 1 milhão para o Hospital Central da PM (modernização de quartos, aquisição de macas elétricas, construção de novo setor para partos e outras melhorias);

< R$ 500 mil para o Centro de Fisiatria e Reabilitação, em Olaria;

< R$ 500 mil para o CFAP (Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças) 31 de Voluntários.

Diferente de anos anteriores, em 2013 cada deputado estadual pôde realizar emendas ao orçamento anual, a ser cumprido em 2014, que totalizassem R$ 2 milhões, com a garantia de que essas verbas, de fato, seriam executadas. Abaixo, cópia do ofício da Secretaria de Planejamento referente às emendas de parlamentares que foram liberadas para PMERJ:


FLÁVIO BOLSONARO
Deputado Estadual-RJ

TWITTER: @FLAVIOBOLSONARO
FACEBOOK FANPAGE: FLAVIO BOLSONARO

segunda-feira, 14 de abril de 2014

INICIATIVA DO VEREADOR JORGE MANAIA, BOLSONARO E OUTROS, CRIA O ORÇAMENTO IMPOSITIVO, INTERROMPENDO DEPENDÊNCIA HISTÓRICA ENTRE OS PODERES EXECUTIVO E LEGISLATIVO.


O projeto de emenda à Lei Orgânica 09/13 que cria o orçamento impositivo foi apresentado pelos vereadores Jorge Manaia (PDT), Carlos Bolsonaro (PP), Dr. Carlos Eduardo (SDD), Carlo Caiado (DEM) e Jorge Braz (PMDB), afim de quebrar a dependência histórica que o Poder Legislativo tem em relação ao Poder Executivo. 

Vereadores que recebem reclamações e que desejam realizar reformas ou investimentos em sua região ficam reféns da Prefeitura para realizarem demandas emanadas pelos eleitores que escolheram seu parlamentar. Ou seja, historicamente a Prefeitura somente possibilita investimentos nas regiões A, B ou C, se os parlamentares votarem de acordo com o que for solicitado pelo chefe do Executivo. 

Com a aprovação do referido projeto, extingue-se essa relação teoricamente promíscua, pois a Prefeitura fica obrigada a cumprir as emendas elaboradas pelos parlamentares que visem melhorias para a cidade, independentemente de como votarem seus representantes na Câmara Municipal. 

O parlamentar terá a independência e convicção de defender seu voto e o eleitor poderá ter a certeza que se seu representante se comportar de maneira equivocada durante votação, foi porque ele quis. Contudo, é claro que o julgamento de qualquer ideia defendida pelo parlamentar exije a necessidade do questionamento antes de qualquer julgamento feito pelo cidadão. 

As emendas de vereadores ao projeto de lei orçamentária serão aprovadas até o limite de 1,2% da receita corrente líquida prevista no Orçamento, sendo que a metade deste percentual só poderá se referir a ações e serviços de saúde. 

Sabemos o caos que a saúde pública passa, portanto fica claro no Projeto que 50% das emendas parlamentares desenvolvidas terão que ser aplicadas na área de saúde, como por exemplo; aquisição de materias para hospitais e demais benfeitorias nas redes hospitalares municipais. 

Na certeza de estarmos garantindo transparência maior na relação dos homens públicos, nos colocamos à dispsição para maiores esclarecimentos. 

Veja o Projeto de Emenda à Lei Orgânica 09/13: http://goo.gl/rIEA7a

Atenciosamente. 

Vereador Carlos Bolsonaro 

Tel: 21-2262-0535 / 21-3814-2118
Twitter: @VerBolsonaro
Fan Page Facebook: Carlos Bolsonaro
www.carlosbolsonaro.com.br

terça-feira, 8 de abril de 2014

DIFERENTEMENTE DO DIVULGADO, PROJETO DE LEI DO PSOL QUE DESCRIMINALIZARIA SOMENTE A MACONHA BENEFICIA TRAFICANTES, SEQUESTRADORES, ESTUPRADORES, USUÁRIOS DE TODOS OS TIPOS DE DROGAS E CRIA A COLÔNIA DE FÉRIAS DO VAGABUNDO DOIDÃO.


COLÔNIA DE FÉRIAS DO VAGABUNDO DOIDÃO DO PSOL: 

O projeto de lei 7770/14 apresentado pelo PSOL, que libera as drogas e o vale tudo no Brasil é noticiado "inocentemente" pela grande mídia como projeto de lei que libera apenas o uso da maconha. 

Não vamos entrar nos detalhes sobre os malefícios das drogas, vamos apenas focar no projeto de lei e mostrar ao público algumas aberrações que passam na cabeça das pessoas que vivem da desgraça de famílias, tanto dos usuários de drogas, quanto das famílias ceifadas por eles. 

Durante breve leitura pudemos constatar no art. 21 a anistia aos traficantes de maconha. Indo mais além, no art. 37, a maconha já não é mais o foco do referido projeto. Segue transcrição: ”Quando o condenado por qualquer infração sofrer de dependência química ou psíquica a algum tipo de droga, poderá solicitar tratamento voluntário de desintoxicação e reabilitação pelo tempo necessário para tais fins. Nesses casos, a duração do tratamento será computada como parte do cumprimento da pena”, ou seja, se o condenado por estupro, homicídio, assalto ou sequestro, alegar que faz uso de drogas, terá este sujeito o direito de sair da prisão e frequentar a Colônia de Férias do Vagabundo Doidão do PSOL, contando como dias de pena cumpridos. 

Em suas considerações finais, o autor é enfático ao afirmar: ”… A maioria dos usuários não vira dependente, mas apenas faz uso recreativo…. Pensemos no álcool: o abuso dele traz mais problemas à sociedade que o próprio crack… Da mesma forma, os usuários recreativos de maconha, cocaína, ecstasy ou qualquer outra droga devem ter sua liberdade respeitada: se alguém tem o direito de ”encher a cara”num bar ou em casa, também tem o direito de fumar um ”baseado”. 

A insanidade e/ou delimitação mental devido ao uso excessivo de drogas destas pessoas é tanta, que acham que um erro pode ser justificável por outro. Se existe uma coisa errada, então não há problema em existirem duas. Pura e simplesmente para justificarem suas vontades pessoais doentias. 

Recentemente, o deputado federal Domingos Dutra (ex-PT/MA), criou o projeto do Estatuto Penitenciário, que entre muitos absurdos, condiciona mais médicos especializados para presos do que para a população honesta. A mesma matéria obriga o poder público a dar shampoo e condicionador aos presos, podendo o agente de segurança pública ser preso caso seja denunciado por descumprir estas determinações. Este mesmo parlamentar cedeu entrevista à TV Câmara alegando que para melhorarmos o sistema prisional do Brasil, teríamos que soltar todos os presos, reformar os presídios e depois solicitar que os marginais voltem para cumprirem suas penas. 

Todos sabemos que o PSOL é uma cria de parlamentares cujos berços eleitorais vieram do PT. 

Solicitamos aos senhores que, se possível, leiam o projeto de lei 7270/14 do PSOL e notando mais algum absurdo, que nos informem. Pois sabemos que a legalização de drogas no Brasil, com mais quatro anos do PT no poder, estará muito próxima, e estes absurdos de passarem a mão na cabeça de estupradores, assassinos e sequestradores não podem ser aceitos, enquanto os inocentes são aniquilados nas ruas. 

Reflitam, associem o passado com o presente dos políticos do Partido dos Trabalhadores e PSOL. Percebam quem são aqueles que dizem que lutaram por democracia patrocinados por Cuba no passado, seus elos político e econômico com ditaduras mundo à fora, corrupção generalizada sem o menor ressentimento, tentativa de acabar com a liberdade de imprensa e o tipo de pessoas que defendem. Claramente não estão visando a melhoria do país em que vivemos, mas sim, traçam um plano duradouro de governo, que em pouco tempo acabará com o Brasil.